Metalinguagem

Quando te li, te amei. Instantaneamente. Tuas letras passaram a ser a melhor das minhas hipóteses. Teus argumentos, a ênfase dos meus diálogos. Tuas reticências me deram ares de pensar infinito. As interrogações inquietaram as dúvidas adormecidas. As exclamações elevaram a alma achatada pelo peso da existência.

Ah, inspiração que não se cansa! Que passeia por tuas linhas e entrelinhas, tal qual pássaro que se esconde entre as árvores do bosque sombrio. Tu não sabes o que fizeste, certamente. Uma parada nas vírgulas e o retorno é inevitável. A hora, inadiável. O alimento que é a tua palavra tornou-se essencial.

Sentenças de morte. Orações subordinadas dos céus. Eu nasci para outra vida. Dois pontos, atenção. Meu verbo é ler.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “Metalinguagem

  1. Luiz Carlos S.Pereira

    Lorena
    Penso que,ao passares pelas ruas,encontrastes o escritor sem frases,perdido em suas elocubrações.
    Tua sensibilidade percebeu o vazio perambulando entre as multidões.Teus sentimentos teceram imagens,que tão bem soubeste descrever na tua crônica .
    Não te queria dizer,mas tenho medo que eme vislumbres na folha morta que despencou de qualquer árvore, e que a brisa fez que caminhasse na tua direção.
    Não quero estar perdido,com os bolsos rasgados, na riqueza da tua inspiração.
    Luiz Carlos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s